Lição Escola Bíblica Dominical – Uma Vida de Frutificação EBD Lição 13 dia 26/03/2017

A paz do senhor amados, voltamos com mais uma lição escola bíblica dominical. E chegamos na lição Uma Vida de Frutificação – EBD Lição 13 dia 26/03/2017 pra finalizar esse primeiro trimestre de 2017. E essa lição esta muito legal e edificante, com bastante subsídio pra você professor da escola bíblica dominical.

Lembrando sempre que você pode conferir todas as lições acessando a categoria: Lição Escola Bíblica Dominical. Veja no final do artigo. Onde fica listado todas as lições que já comentamos até agora. Como sempre, nossa querida irmã Silvânia esta afiada no subsídio, e traz pra você o comentário da lição 13 da revista cpad 1º Trimestre 2017 que vai falar sobre: Uma Vida de Frutificação.

Uma Vida de Frutificação – EBD Lição 13 dia 26/03/2017

Escola Bíblica Dominical
Lição 13 – 26/03/2017  Uma Vida de Frutificação
Texto Áureo (Jo 15:2)
Verdade Prática: O crente só terá uma vida frutífera se estiver ligado à videira verdadeira, Jesus Cristo.

licao-escola-biblica-dominical-uma-vida-de-frutificacao

INTRODUÇÃO da lição escola bíblica dominical

Nesta última lição do trimestre, estudaremos a respeito da frutificação na vida do crente. Você tem produzido o fruto do Espírito? Precisamos frutificar! Por isso, necessitamos estar ligados à Videira Verdadeira. É Cristo em nós que nos permite produzir o fruto do Espírito. Sem Ele nada podemos (Jo 15.4). O propósito de uma vida frutífera é tão somente glorificar o Pai (Jo 15.8).

I – A VIDEIRA E SEUS RAMOS

A parábola da vinha. No texto da Leitura Bíblica em Classe, encontramos uma parábola, ou alegoria, a respeito da videira. A videira é o próprio Senhor Jesus Cristo e os ramos são todos os discípulos de Cristo. Como discípulos precisamos estar ligados à videira para termos uma vida frutífera (Jo 15.1).

Como lavrador, o Pai tem cuidado de nós com zelo e amor para que possamos produzir frutos em abundância. Fomos alcançados unicamente pela graça divina, e a única coisa que Ele exige de nós é que venhamos a frutificar.

Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.
João 15:4

Provavelmente Jesus escolheu a videira por ela ser um arbusto, na qual em seu corpo existem várias “varas”, ou seja, ramos, e em cada ramo tem vários frutos denominados como uva.

Aqui ele está dizendo que ele é esse arbusto, e que cada crente é um ramo e que devemos estar ligados nele dando bons frutos. João 15:04 

O que é estar na videira?
Estar na videira é estar na vontade de Deus, é estar com a sua palavra em nossos corações. (v. 7a), é como os ramos de um arbusto “videira” para ter vida tem que estar na videira, da mesma forma o crente deve estar em Jesus, sem isso o crente morre espiritualmente e será rejeitado por Deus.

Qual é o dever do crente na videira? (v. 16 ) “Dar frutos” Aqui Cristo deixa bem claro para nós que foi ele quem nos escolheu, nos tirou do mundo de pecado e nos nomeou para darmos bons frutos e ganharmos almas a ele.

Condição para ser produtivo. Segundo os agrônomos, a videira leva três anos para dar os primeiros frutos. As uvas não nascem logo depois da semente germinar no solo. É preciso tempo e muitos cuidados. Na vida espiritual, é preciso discipulado, ensino da Palavra de Deus. Contudo, para ser frutífero é imprescindível estar ligado a Cristo, a Videira Verdadeira. Longe dEle não existe vida, apenas morte. Quando os ramos se afastam da Videira, logo deixam de receber da sua seiva, tornando-se secos e infrutíferos.

A poda. Podar é aparar os ramos que estão atrapalhando o desenvolvimento da planta. A poda ajuda a produzir novos  ramos, fazendo com que a produção de frutos seja maior. Na vida espiritual, também somos podados e cuidados pelo Senhor. Ele retira de nós tudo que nos impede de frutificar. Contudo, se depois de cuidados não produzirmos frutos, não resta alternativa a não ser o corte e o descarte no fogo (Jo 15.2). Na vinha do Senhor, não há ramos para enfeitar, todos precisam ser frutíferos.

Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.
João 15:2

Como Cristo enfatizou em sua parábola da videira e dos ramos, é de vital importância para um cristão a dar frutos. Há, de fato, muitos tipos de fruto espiritual mencionados nas Escrituras.

Talvez o fruto mais importante, produzido na nossa vida pelo Espírito Santo, é a de um personagem como Cristo. “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. ” (Gálatas 5:22-23). “Porque o fruto da luz consiste em toda bondade, justiça e verdade” (Efésios 5:9).

Santidade – o selo de uma vida dedicada a Deus – é um fruto espiritual particular. “Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim, a vida eterna. ” (Romanos 6:22) e são “cheios do fruto da justiça” (Filipenses 1:11). Isto implica também o fruto das boas obras realizadas em nome de Cristo, “que você pode andar de maneira digna do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus (Colossenses 1:10).

O hábito de dar graças e louvor em vez de queixa e crítica é um fruto valioso cristão. “Portanto, por Ele, vamos continuar a oferecer o sacrifício de louvor a Deus, isto é, o fruto dos nossos lábios, dando graças ao Seu nome” (Hebreus 13:15). A generosidade é outro fruto importante. Paulo elogiou a entrega sacrificial dos Filipenses: “Não que procure dádivas, mas procuro o fruto que cresça para a nossa conta” (Filipenses 4:17).

Finalmente, um fruto vital de um testemunho cristão é fruto produzido na vida de outros cristãos. O grande desejo de Paulo era: “não quero que ignoreis, irmãos, que muitas vezes propus visitar-vos (mas até agora tenho sido impedido), para conseguir algum fruto entre vós, como também entre os de.

II – O FUNDAMENTO DA FRUTIFICAÇÃO ESPIRITUAL

  1. Firmados no amor de Cristo. O amor é o fruto excelente (Gl 5.22). Fomos alcançados pela graça e o amor de Cristo (Rm 3.24). A graça divina, além de destruir os pecados, enxerta em nós a semente do amor. O amor nos ajuda a vencer os efeitos da arrogância, o egoísmo e a incredulidade.

Cristo é o nosso exemplo por excelência de amor altruísta. Ele se sacrificou pelos pecadores (Jo 3.16). O que nos identifica como discípulos de Jesus é o amor. O amor nos leva a servir ao nosso próximo e esse servir é sem interesses ou vantagens materiais.

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. ” — João 3:16,

Esse é um dos textos mais conhecidos e mencionados de toda a Bíblia. Muitos dizem que nenhum outro versículo “explica tão bem a relação de Deus com a humanidade e o caminho da salvação”. Por isso, em alguns países, é comum que esse texto, ou simplesmente “João 3:16”, apareça em eventos públicos, em adesivos de carro, em artes urbanas e outros lugares.

Nos que divulgamos este texto acreditamos que o amor de Deus garante a salvação eterna.

Por que o amor é a base da frutificação? Porque ele é o alicerce de todas as virtudes (1 Co 13.13). Não podemos nos esquecer que o amor deve ser revelado em atitudes. Não adianta dizer que ama e tem fé se não tiver as boas obras (Tg 2.14). A fé sem obras e sem amor é morta (Tg 2.17, 26). O amor precisa ser visto mediante as nossas obras. Existem muitas pessoas carentes e necessitadas que precisam do nosso amor e ajuda.

“Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma. ”

“Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta. ” (Tg 2.17, 26)

O versículo 17 diz: “Assim também a fé, se não tiver obras, por si só está morta”. Tiago não diz que um homem não é salvo pelo crer. Ele não quer dizer que um homem não é justificado ou não tem a vida eterna pelo crer. Ele quer dizer que ao ouvir tais palavras desse tipo de pessoa, você sabe que a fé dela é morta. Se você pedisse a Paulo para vir aqui hoje e comentar sobre isso, até ele mesmo diria que esse tipo de fé é morta.

Se alguém simplesmente diz que tem fé, mas não tem uma expressão exterior disso, essa fé deve ser morta. Pois não importa quão grande seja a fé de alguém, os outros ainda precisam de veste e comida. Eles não podem cobrir sua nudez com a luz do céu. Tampouco podem comer o ar para satisfazer sua fome. Portanto, uma fé sem obras é vazia e morta.

Finalmente, o versículo 26 diz: “Porque, assim como o corpo sem espírito é morto, assim também a fé sem obras é morta”. Nosso espírito habita dentro do nosso corpo. Portanto, podemos dizer que nosso espírito é o espírito do nosso corpo.

Dizemos que os espíritos malignos são espíritos que deixaram seu corpo, pois eles não têm um corpo. Há um tipo de obra que requer fé e que deve estar unido à fé. Há um tipo de obra que provém da fé e que resulta da fé. Se a fé for sem obras, ela é morta, da mesma forma que um corpo sem espírito é morto. Portanto, somos salvos por meio da fé, somos justificados por meio da fé e também recebemos vida por meio da fé. Embora haja muitas diferentes maneiras de expressar a fé, a fonte ainda é a fé.

Alguns expressam-na abandonando sua profissão. Outros expressam-na por não seguir os passos de seus pais. Ainda outros expressam-na por não acompanhar o marido em certas coisas ou por abandonar sua posição. Existem todos os tipos de expressões da fé. A questão não é de boas ou más obras, mas de fé. O que Tiago está dizendo é que quando a oportunidade surge, nossa fé deve ser expressa.

Cheios do Espírito e de amor. O amor é gerado em nossos corações pela ação do Espírito Santo. Não podemos nos esquecer que somos templo, habitação do Consolador. Esta virtude era uma das características mais marcantes da Igreja Primitiva. Por quê? Porque todos ali eram cheios do Espírito. O amor fazia com que repartissem seus bens: “Não havia, pois, entre eles necessitado algum […]” (At 4.34). Levava também os crentes a amarem, mesmo sofrendo perseguição e morte (At 7.60).

Não havia, pois, entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido, e o depositavam aos pés dos apóstolos.
Atos 4:34

Esta palavra nos fala da união dos primeiros fiéis, cujo segredo para se manterem unidos era a perseverança. Todos caminhavam juntos e tinham um só foco: Jesus Cristo. A unção do Senhor permanecia sobre eles e assim o Espírito Santo agia, fazendo com o que a graça de Deus fosse vista por quem os via. Tudo eles dividiam, e isso, os fazia diferentes.

III – CHAMADOS PARA FRUTIFICAR

  1. Revestidos de amor. Em Colossenses 3.12, Paulo orienta os crentes para que se vistam de misericórdia, benignidade, mansidão e longanimidade. Busquemos “as coisa que são de cima” (Cl 3.1,2). Suas atitudes devem refletir tal verdade. Mediante a fé no sacrifício de Cristo, já retiramos a “roupa velha”, nossos trapos de imundícia, que é a natureza pecaminosa.

O amor, fruto do Espírito, em nossa vida nos conduz:

a) A frutificar em nosso relacionamento espiritual. Passamos a experimentar uma maior comunhão com o Pai mediante a oração, o jejum e a leitura da Palavra de Deus.

b) A ter um relacionamento conjugal frutífero. Se amarmos a Deus amamos também o nosso cônjuge com um amor altruísta. Amar a esposa é um princípio divino para os maridos: “Vós, maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesma se entregou por ela” (Ef 5.25).

c) A ter um relacionamento familiar frutífero. A esposa será submissa ao marido e os filhos lhe serão obedientes (Ef 5.22, 1);

Se a Palavra estiver em nós. Só é possível frutificar se Cristo e suas palavras estiverem plantados em nós. Essa também é a condição para que as nossas orações sejam ouvidas e respondidas (Jo 15.7). É por intermédio das palavras de Jesus, ou seja, por meio de seus ensinamentos, que podemos orar corretamente, segundo a vontade do Pai. As palavras de Jesus fazem com que venhamos nos tornar semelhantes a Ele.

“Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós pedireis o que quiserdes, e vos era feito.”(Jo 15:7)

Permanecer aqui, não é simplesmente frequentar uma igreja, mas estar conectado em Cristo, através da oração, do jejum, da leitura da sua palavra, e acima de tudo, viver em conformidade com a palavra de Deus. A maioria das pessoas, ainda andam estribadas em seus próprios pensamentos, conceitos, valores, em desobediência a Deus, portanto, oram e nada acontece. Talvez você esteja vivendo isto, as coisas não acontecem em sua vida, porque você acha que está certo viver como você vive, pense nisto.

Cumprindo a lei. Na Epístola aos Romanos, Paulo trata com profundidade a respeito da lei. Ele mostra que somente o que ama tem condições de cumprir a lei: “[…] quem ama aos outros cumpriu a lei” (Rm 13.8). O apóstolo também exorta os crentes, afirmando que “o cumprimento da lei é o amor” (Rm 13.10). O amor de Cristo, em nós, nos ajuda a observar os mandamentos e princípios divinos para a nossa vida.

“A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.”

À primeira vista, parece que o texto bíblico misturou as coisas. Afinal, qual a relação entre dívida financeira e ajuda mútua? Paulo, entanto, é enfático, quando escreve: “A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor recíproco…” (Romanos 13:8).

A história das civilizações ensina claramente uma coisa: comunidades que não praticaram ajuda mútua se autodestruíram. O endividamento material dos membros de uma sociedade produz a insolvência e abre as portas para várias formas de desestruturação quando todos querem possuir e quase ninguém pensa em honrar compromissos, os contratos sociais perdem seu poder agregador. Consumismo sem poupança é receita certa para a recessão.

Por que a Bíblia descreve o “amor recíproco” como um mandamento, como uma “dívida”? Porque a natureza essencial do amor é a postura da doação. Em mais de um contexto Cristo Jesus associa a atividade de amar com o cumprimento dos desígnios divinos.

“Se Me amardes, obedecereis aos meus mandamentos”. “E o Meu mandamento é que vos ameis uns aos outros”… “como Eu vos amei.”. O amor recíproco garante a estabilidade das comunidades, tanto quanto o egocentrismo garante a dissolução das instituições humanas. Dizer que o amor recíproco deve depender da “boa vontade” de cada indivíduo é quase tão grave quanto propor uma política financeira pública que dependa da veneta dos contribuintes.

Amar é a grande dívida que assumimos com o Senhor. Ele nos “amou quando éramos ainda pecadores”. Por isso, diz a Bíblia, “o amor de Cristo nos constrange” e deve sempre nos constranger a compartilhar com o próximo o instrumento divino que nos capacita a sermos “filhos de Deus”.

CONCLUSÃO

O amor de Deus por nós é singular.  Quando experimentamos desse amor somos transformados e, então, passamos a produzir o fruto do Espírito. Que venhamos a frutificar em todas as áreas da nossa vida, a fim de que o nome de Jesus, o nosso amado, seja glorificado e exaltado.

Fontes pesquisadas para essa lição escola bíblica dominical:
Bíblia de estudo Aplicação Pessoal
Bíblia de estudo Thompson
O novo comentário bíblico NT
O novo comentário bíblico AT
Teologia Sistemática – Wayne Grudem
http://www.estudobiblico.com.br/salvacao/capitulo10.html
Autora: Silvania Soares

Faça Download desse subsidio teórico Clicando Aqui 

Veja muito mais em: Lição Escola Bíblica Dominical

Como Pregar a Palavra de Deus?

Inscreva-se Gratuitamente para receber atualizações do blog e Baixar o Guia Prático para Elaborar Sermões do Clube de Pregadores

Pregador Manasses

Sou apaixonado pelo Senhor Jesus e a sua palavra, compartilho nesse blog daquilo que o Senhor me tem dado, por isso trago pregações para jovens, estudos bíblicos e dou algumas dicas pra ajudar os irmãos a como pregar a palavra de Deus. Seja Bem vindo!

Website: http://pregadormanasses.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *