Quem Ama Cumpre Plenamente a Lei Divina – EBD Lição 12 dia 19/03/2017

Quem ama cumpre plenamente a lei divina. O tema dessa lição me lembra até um dos hinos de Ozeias de Paula. Como de costume, esse subsídio é compilado pela irmã Silvania Soares, membro da equipe do Clube de Pregadores, responsável pela correção das atividades dos nossos alunos no Clube. A irmã Silvania também já contribuiu com alguns estudos bíblicos para nosso blog. Louvemos a Deus por sua vida.

Nota: O Clube de Pregadores é onde você vai aprender através de vídeo aulas, a como pregar a palavra de Deus estudando e fazendo nossas atividades práticas, esse é o melhor e maior portal de treinamento online para pregadores. Saiba mais aqui.

Quem Ama Cumpre Plenamente a Lei Divina – EBD Lição 12 dia 19/03/2017

Subsídio e comentário para a Escola bíblica dominical CPAD
Lição 12 – 19/03/2017
Tema: Quem ama cumpre plenamente a lei divina
Texto Áureo (Rm 13:18)
Verdade prática: Amar à Deus e ao próximo é cumprir plenamente a lei divina.


quem ama cumpre plenamente a lei divina EBD Pregador Manasses

INTRODUÇÃO

Já estudamos alguns aspectos do fruto do Espírito e obras da carne. Deixamos para tratar a respeito do amor em uma única lição, pois o objetivo é que venhamos compreender a singularidade e a importância desse aspecto do fruto do Espírito.

Podemos agrupar os nove aspectos do fruto do Espírito Santo da seguinte maneira: Os atributos que tratam do nosso relacionamento com Deus: amor, paz e alegria. Os que tratam do nosso relacionamento com o próximo: longanimidade, benignidade e bondade.

Os que tratam do nosso relacionamento com nós mesmos: fidelidade, mansidão e domínio próprio. Porém, nesta lição, veremos o aspecto do amor. A maior marca de uma igreja não é sua teologia, seu templo, tradições, mas sim o seu amor para com o Senhor Jesus e para com o próximo.

I – A SINGULARIDADE DO AMOR AGÁPE

  1. Amor, um aspecto do fruto. O amor é o primeiro aspecto do fruto que encontramos na relação de Gálatas 5.22. Podemos afirmar que tal sentimento é o solo onde os demais aspectos do fruto devem ser cultivados. Paulo relata a suprema excelência do amor em 1 Coríntios 13. A língua grega possui três vocábulos para denominar o amor: agápe, amor divino; philéo, amor entre amigos e eros, amor entre cônjuges.

I Coríntios 13 é uma das passagens mais conhecidas e mais amadas do NT. Também é uma das mais manipuladas por pregadores que desconsideram o contexto totalmente ou tentam impor sua ótica distorcida, de que o amor se opõe aos dons espirituais.

O verbo grego ζηλόω – zelóo – procurar, no modo imperativo – procurai em 1 Coríntios 12:31 e 14:1 – indica que o capítulo 13 de 1 Coríntios é, na realidade, uma digressão – a digressão é um recurso literário utilizado com o fim de esclarecer ou criticar o assunto que está sendo tratado. Por este motivo, toda digressão é completamente relevante ao contexto. Nesse capítulo, em três parágrafos, a intenção de Paulo é colocar o zelo dos Coríntios pelos dons, dentro de um contexto ético mais abrangente.

Este novo contexto é o amor pelos outros, em oposição ao egoísmo expresso em buscar os próprios interesses. O amor ao qual Paulo se refere é aquele que edifica a Igreja. É o amor ensinado por Jesus – ver João 13:34—35. É o único amor verdadeiro porque é o próprio amor de Deus – ver João 3:16.

O que está em disputa aqui são duas visões de espiritualidade:

Eles falavam em línguas, e Paulo não disputa serem as mesmas uma manifestação genuína do Espírito. Mas ao mesmo tempo, eles toleravam ou aceitavam um comportamento sexual ilícito, a avareza e a idolatria, e julgavam poder edificar um irmão destruindo-o.

Paulo vai no começo do capítulo 13, alistar uma série de atividades religiosas, tiradas de 1 Coríntios 12:8—10, que não beneficiam quem as pratica, a menos que a pessoa tenha o amor como característica ou intenção principal, ao praticar tais atos.

Paulo apresenta uma definição de amor que se adapta bem à situação em Corinto. O objetivo maior do apóstolo é ajudar os Coríntios a entender que os Dons são úteis somente nesta vida ao passo que o amor perdura pela eternidade.

O amor ágape. O amor de Deus é expresso no grego pela palavra ágape. Tal vocábulo significa “amor abnegado e profundo”. Um dos atributos do nosso Deus é o amor (1 Jo 4.8). Seu amor por nós é ímpar. Não podemos nos esquecer que hoje amamos ao Pai e ao próximo porque o amor divino nos alcançou primeiro:

“Nós o amamos porque ele nos amou primeiro” (1 Jo 4.19). O que fizemos para merecer tal amor? Nós não fizemos nada. O mérito de tal sentimento não é nosso. Mas Ele nos amou quando éramos ingratos e maus e nos deu o seu Filho Unigênito para morrer em nosso lugar (Jo 3.16).

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” João 3:16.

Esse seja talvez um dos versículos mais usados na hora de evangelizarmos. E com razão, uma vez que a palavra “mundo”, nesse trecho, vem do grego ‘kosmos’, que retrata a multitude da humanidade sobre a terra e o próprio mundo como conhecemos. Porém o contexto nos mostra que além de nos amar Deus, em Cristo Jesus, fez para nós um caminho perfeito pelo qual podemos nos igualar a Jesus em santidade sendo libertos do pecado e da morte.

 Deus amou todos os homens 

Quando lemos este versículo a primeira conclusão que devemos ter é que Deus amou o mundo inteiro. A palavra do grego para mundo neste versículo é ‘kosmos’, que retrata a multitude da humanidade sobre a terra. É errado considerar que Deus amou apenas parte da humanidade em detrimento de outra, como muitos argumentam. Deus amou o mundo inteiro e todos os homens, justos ou injustos.

É muito lindo pensar desta forma. Se consideramos que Deus amou todos os homens e se conseguimos renovar a nossa mente com essa verdade seremos transformados pelo este amor. Não se trata da compreensão, mas da verdade do amor de Deus sobre todos os homens.

Recentemente eu tive uma experiência bem interessante sobre relacionada a isto. Andando pelo centra da cidade em que eu vivo me lembrei deste texto e passei a observar as pessoas. E considerei que Deus amou cada uma delas, independente de suas características. Vi homens e mulheres de todas as cores, magras e gordas, feias e bonitas, ricas ou pobres. Deus as amou em igualdade sem olhar a sua própria situação humana.

E continuei minhas divagações considerando que, se Deus amou todas estas pessoas, então ele certamente também amou todas as pessoas que me causaram algum dano durante a minha vida. Não importa quem seja ou o que a pessoa tenha feito, Deus a amou e se entregou por ela também. Esta percepção muda toda a nossa vida!

Veja que quando percebemos estas coisas o que devemos fazer? Se somos filhos de Deus e enviados conforme a sua própria vontade, então é necessário que o meu amor por aqueles que foram amados por Deus seja conforme o amor de Deus. Ou seja, se Deus os amou, também devo eu mesmo amar o meu próximo. Não importa quem seja. Quando amamos o nosso próximo e todos aqueles que nos fizeram mal, então cumpriremos toda a lei.

O amor agápe derramado em nós. Quando recebemos, pela fé, o Senhor Jesus, nos tornamos uma nova criatura (Jo 3.3). E, assim, foi-nos enxertado o amor que é a essência do Pai. Se somos discípulos de Cristo, amamos ao Pai e ao próximo. O amor de Deus em nós nos proporciona: paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança (Gl 5.22). Quem tem o amor de Deus considera o próximo e está sempre disposto a servir a todos, assim como o nosso Mestre (Mc 10.45).

“Porque o Filho do Homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em

resgate de muitos.”

Jesus agora explica o propósito de sua morte, depois de tê-la predito três vezes. Esse é um esclarecimento raro nos Evangelhos Sinóticos que ressalta o treinamento dos 12 e prepara o terreno para as explicações futuras nas epístolas. A vida de Jesus como um resgate [gr.lutron] era o preço pago para libertar os escravos, reféns e outros.

Essa palavra só é encontrada no novo testamento aqui em Mateus 20:28, embora seja muito empregada em textos extra bíblicos. A vida de Cristo é dada em [gr.anti] resgate, no lugar de muitos mostrando a natureza expiatória da sua morte. A palavra muitos dá a ideia de muitos outros, algo sem limite. Cristo, certamente morreu por todos (2Co5:14; 1Tm 2:6; 1Jo 2:2).

II – AMAR A DEUS E AO PRÓXIMO

O amor a Deus. O amor de Deus por nós é altruísta, abnegado e ímpar. E a única coisa que Ele nos pede é que também venhamos a amá-lo com todo o nosso coração: […] “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração […]” (Mt 22.37). Como podemos expressar nosso amor a Deus? De diferentes formas: sendo fiéis em nossos dízimos e ofertas, louvores, orações, lendo a Bíblia, etc.

Mas a melhor maneira de expressar nosso amor a Deus é abandonar o pecado e procurar ter uma vida santa. Quem ama a Deus não tem prazer na prática do pecado. Quem se encanta com o pecado não ama ao Senhor e nunca o conheceu. Por isso, Jesus afirmou que muitos dirão naquele Dia: “Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? (Mt 7.22). A resposta do Senhor para estes é apenas uma: […] “Nunca vós conheci […]” (Mt 7.23).

( Mt 22:37) Nesta passagem, Jesus resumiu toda a Bíblia em poucas palavras. Ele disse que o amor é o cumprimento da Lei. Se quisermos fazer a vontade de Deus, temos que decidir amar, porque Deus é amor (conf. I Jo 4:8). Esta é a sua linguagem, a maneira como Ele se expressa e, portanto, a maneira como devemos nos expressar também. Agora, de acordo com as palavras de Jesus, esse amor se revela em três dimensões: a Deus, ao meu próximo e a mim mesmo.

A primeira dimensão do amor é: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de todas a tua alma e com todo o teu entendimento. Este é o maior de todos os mandamentos” (vs. 37 e 38).

O amor a si mesmo. Amar a si mesmo pode parecer narcisismo, mas não é. Pois se você não se amar e aceitar-se, como poderá amar a Deus? Amar a si mesmo é acima de tudo um mandamento divino: “[…] Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mt 24.9). Certamente não gostamos das nossas falhas e imperfeições. Não somos perfeitos, mas precisamos colocar diante do Senhor tudo o que somos para que Ele venha nos transformar.

O amor ao próximo. Para amar o próximo com o amor ágape é preciso amar a Deus primeiramente. O apóstolo João diz que Deus é amor, quem não ama, jamais o conheceu (1 Jo 4.7,8,12,20). Certa vez, um fariseu perguntou a Jesus qual era o grande mandamento da Lei.

Então, o Mestre ensinou que amar ao Senhor de todo o coração e ao próximo é um resumo de todos os mandamentos (Mt 22.37-40). É importante ressaltar que amor não é somente sentimento, mas ação. Não basta amar somente de palavras.

O amor como fruto do Espírito faz com que eu queira para os outros aquilo que desejo para mim. Faz com que eu tenha prazer em doar meu tempo, meus dons e talentos para o bem do meu próximo.

Nosso amor a Deus é uma resposta ao seu grande amor por nós (I Jo 4:19 e Rm 5:8). Ele nos amou antes que nós o amássemos, quando estávamos ainda mergulhados na culpa do nosso pecado. E Ele foi ao extremo de entregar seu único Filho na Cruz por nós, numa morte cruel. Só isso já deve despertar grande paixão em nosso coração. O homem que ignora o amor de Deus e não o corresponde comete o maior de todos os pecados. Viver à revelia do que Ele fez por nós é uma tremenda amostra de dureza do coração.

O verdadeiro amor ao Senhor se revela em obediência e submissão (conf. Jo 14: 15,23-24). Mais que um sentimento, amar é uma decisão que se expressa em atitudes práticas. A prova do amor de Deus por nós já foi dada quando Jesus morreu em nosso favor.

Agora, a prova do nosso amor a Ele também tem que ser mostrada e isso não acontece apenas com palavras ou emoções, mas acima de tudo com obediência. Quem diz que ama a Deus, mas não se sub-mete à sua palavra, está mentindo ou enganando-se a si mesmo.

O amor que Deus espera de nós é  também intenso e expressivo (conf. Lc 10:27 e Ap 3:15-16). Ele quer também que haja paixão no que fazemos, intensidade e prazer em estar na sua presença. Se o Senhor desejasse só obediência, teria nos criado sem livre arbítrio, como robôs programados para servir.

Mas Ele quer que o que fazemos, façamos de coração e com prazer. Seja adorando, servindo, ofertando, orando, precisamos envolver nossa alma, nossas forças, enfim, colocar o nosso coração, senão nossa oferta não será aceita (conf. Mt 15:8).

A segunda dimensão do amor cristão é horizontal. O mandamento é amar ao nosso próximo como a nós mesmos. É o amor ao próximo que chancela ou autentica nosso amor a Deus (conf. I Jo 4:20-21).

A cruz é o maior símbolo do Cristianismo. Ele é feita por dois madeiros: um vertical (que representa nossa relação com Deus) e outro na horizontal (que representa nossa relação com os homens). Se temos uma experiência com a obra da Cruz, fomos reconciliados com Deus e com os homens. Nossa fé tem que afetar e santificar nossos relacionamentos, caso contrário será mera religião, vazia.

A prática do “amor horizontal” começa na própria igreja. Se nós que proclamamos o nome de Jesus não decidirmos amar uns aos outros de maneira efetiva, como o mundo crerá na nossa prega-ção? Por isso, precisamos dar suporte uns aos outros e fortalecer-nos mutuamente, como membros de um mesmo corpo (conf. Cl 3:13 e I Co 12:25-27).

III – SOB A TUTELA DO AMOR, REJEITEMOS AS OBRAS DAS TREVAS

Debaixo da tutela do amor. O que é uma tutela? A tutela é um “encargo jurídico de velar por, representar na vida civil e administrar os bens de menor, interdito ou pessoa desaparecida”. Logo, ter um tutor significa ter alguém para amparar, defender e proteger. Fora da tutela do amor agápe, amor divino, o crente pode voltar à prática das velhas obras infrutuosas da carne. Sem o amor de Deus, em nós, somos capazes de amar mais as trevas que a luz (Jo 3.19).

“E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. ”

O texto nos fala das pessoas que andam nas trevas, elas estão nesta situação porque amam as trevas, preferem as trevas que a luz. Elas rejeitam a luz! E por que rejeitam a luz? Porque as suas obras são más, é o que a Bíblia responde.

A rejeição não é um ato intelectual, ou seja, elas rejeitam a luz não é porque não compreendem, mas é porque o seu problema é moral, elas amam o pecado, não querem deixá-lo, elas amam as trevas porque as trevas escondem as suas obras más. Elas não querem vir para a luz, não é porque não podem processar isso intelectualmente, mas porque elas gostam de viver a vida de pecado.

Muitas dessas pessoas dizem acreditar em Deus e elas acham bonito a atitude de se crer em Deus, desde que não seja o Deus da Bíblia Sagrada, porque, uma vez que se diz crer no Deus da Bíblia Sagrada, por conseguinte, tem-se que aceitar a sua Lei, os seus mandamentos, os seus ensinos morais, a sua exigência por santidade, a sua justiça, a retidão que ele cobra de todos e a aceitação da sua punição para os desobedientes.

Amor, antídoto contra o pecado. Quem ama não trai o seu cônjuge, não mata, não rouba, não cobiça, não dá falso testemunho, ou seja, não faz nada que possa desagradar ao Pai Celeste. Se quisermos evitar as obras da carne, precisamos nos encher do Espírito Santo e do seu amor (Ef 5.18). O amor nos faz agir de modo cortez e paciente, demonstrando ao mundo que somos discípulos de Cristo (Jo 13.35).

O amor leva à obediência.  O amor, fruto do Espírito, não é um mero sentimento. Amar envolve ação, atitude (1 Jo 3.18). O que torna uma igreja forte não são seus recursos financeiros, seus líderes ou o número de membros, mas o amor revelado em atitudes e palavras. Quem ama tem prazer em ouvir e obedecer a Palavra de Deus: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra. […] Quem não me ama não guarda as minhas palavras” (Jo 14.23,24). Quem ama obedece e vive de modo a agradar o Pai.

(Jo 14:23,34) “Jesus respondeu e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada. Quem não me ama não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou. ”

Ao ler a passagem acima, podemos perceber algumas coisas muito interessantes, como por exemplo:

  • Se você diz que ama a Jesus e não observa a Sua Palavra e não obedece seus mandamentos, na verdade você está equivocado. A única maneira de amar a Jesus verdadeiramente e de demonstrar seu amor a Ele é guardando e obedecendo sua Palavra.
  • Quando você ama (MESMO) a Jesus este amor é retribuído por Ele e por Deus Pai. E então Jesus se revelará (se fará ser conhecido) a você.

Na sequência, a questão levantada por Judas e a resposta dada por Jesus são de extrema relevância para o entendimento do texto.

Por que Jesus se revela somente àqueles que o amam? Porque ele não se faz ser conhecido por todo o mundo?

Sua resposta é simples:

Porque somente aqueles que o amam guardam sua Palavra. E aquele que guarda sua Palavra é amado por Deus Pai e, por isso, receberá o Espírito Santo, o qual fará morada nele.

Perceba que Jesus escolheu a Sua Palavra (que é também a Palavra do Pai) para se revelar àqueles que o amam. Mas isto só é possível através do Espírito Santo. Está difícil de entender?

CONCLUSÃO

Como nova criatura, você precisa amar e evidenciar esse amor mediante suas atitudes e palavras. Que venhamos rogar ao Pai um coração amoroso, capaz de amar até mesmo aqueles que se declaram nossos inimigos (Mt 5.44).

Fontes pesquisadas:
Bíblia de estudo Aplicação Pessoal
Bíblia de estudo Thompson
O novo comentário bíblico NT
O novo comentário bíblico AT
Teologia Sistemática – Wayne Grudem
Autora: Silvania Soares

Veja todos os estudos anteriores dessa revista, aqui: Escola Dominical

Faça Download desse subsidio em PDF-Clicando Aqui

Como Pregar a Palavra de Deus? Assine e Baixe o Guia em PDF

Pregador Manasses

Sou apaixonado pelo Senhor Jesus e a sua palavra, compartilho nesse blog daquilo que o Senhor me tem dado, por isso trago pregações para jovens, estudos bíblicos e dou algumas dicas pra ajudar os irmãos a como pregar a palavra de Deus. Seja Bem vindo!

Website: http://pregadormanasses.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *