Lição Escola Bíblica Dominical – A Formação do Caráter Cristão EBD Lição 01 dia 02/04/2017

A paz do Senhor amados! Prontos pra mais uma lição escola bíblica dominical? Vamos começar com nova revista, e um assunto muito forte e proveitoso! O caráter do Cristão! E a primeira aula, vai tratar justamente da formação do caráter cristão.

Como sabem, nossa irmão Silvania que traz esse subsídio para nós, e esta afiada para mais um bimestre comentando a revista e auxiliando você que é professor de escola dominical. Caso deseje ver todas as lições, segue a seção: Lição Escola Bíblica Dominical. Agora, vamos para a a lição: A Formação do Caráter Cristão.

caráter cristão

Lição Escola Bíblica Dominical – A Formação do Caráter Cristão EBD Lição 01 dia 02/04/2017

Escola bíblica Dominical
Lição 01 – 2/4/2017
Texto Áureo (Gl 5:20)
Verdade Prática: O homem nascido de novo tem o seu caráter transformado pelo Espirito Santo.

INTRODUÇÃO

Neste trimestre, teremos a oportunidade ímpar de estudar a respeito do caráter. Todo ser humano tem caráter, seja ele bom, seja ele mal, exemplar, ímpio ou santo. Deus criou o homem bom e perfeito, mas o pecado maculou o seu caráter. Por isso, todos necessitam de uma transformação espiritual e moral. Veremos que somente o Deus de toda a perfeição, mediante o Filho, pode transformar o caráter de uma pessoa.

I – O CARÁTER NA REALIDADE DO HOMEM

O que é caráter? Segundo o Dicionário Aurélio, caráter é “o conjunto das qualidades (boas ou más) de um indivíduo, e que lhe determinam a conduta e a concepção moral”. O caráter é a característica responsável pela ação, reação e expressão máxima da personalidade. É a maneira de cada pessoa agir e expressar-se. Tem a ver com os princípios, valores e ética de cada um.

“Não se mede o valor de um homem pelas suas roupas ou pelos bens que possui, o verdadeiro valor do homem é o seu caráter, suas ideias e a nobreza dos seus ideais.” Charles Chaplin

Personalidade e caráter.

A personalidade pode ser definida como sendo a qualidade do que é pessoal. Ela é a nossa maneira de ser, ou seja, aquilo que nos distingue de outra pessoa. O caráter não é herdado. Ele é construído mediante a formação que recebemos. Por isso, a Palavra de Deus adverte: “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se esquecerá dele” (Pv 22.6).

Este provérbio é um mandamento, não uma sugestão. Ele é uma promessa, não uma possibilidade. Aqueles que acreditam na Bíblia confiam nesta regra tanto quanto nos outros versículos. Eles não são intimidados pela tarefa que está diante deles. Eles colocam a sua confiança nas preciosas Escrituras, e partem para a tarefa, hoje!

II – A DEFORMAÇÃO DO CARÁTER HUMANO

A Queda e o caráter humano. Deus fez o homem perfeito, em termos espirituais, morais e físicos. No ato divino da Criação, Ele disse: “Façamos o homem à nossa imagem” (Gn 1.26). Fomos criados à “imagem” e “semelhança” do Criador, logo não podemos nos esquecer que refletimos a glória divina. Se tivermos um caráter santo, Deus será louvado por intermédio de nossas ações.

O livro de Eclesiastes diz: “Vede, isto tão somente achei: que Deus fez ao homem reto, mas ele buscou muitas invenções” (Ec 7.29). Nesse texto, o termo “invenções” não se refere às descobertas científicas ou tecnológicas, que são frutos da inteligência humana. Refere-se, sim, às mudanças e inovações de caráter moral negativo ou pecaminoso, contrariando a vontade de Deus.

Esse é um ponto importante: o homem, quando deu lugar ao Diabo e desobedeceu a Deus, pecou e, por causa disso, perdeu aquela semelhança moral com o criador. Ficaram, na verdade, os traços daquela semelhança, distorcida, prejudicada, no ser humano. Esses Traços são o senso de justiça, de ética e da busca por um ser supremo no âmago de sua consciência.

O seu caráter, impresso por Deus em sua mente, em seu interior, foi deformado pelos efeitos espirituais e morais da Queda. As consequências do pecado no caráter humano foram trágicas e, ao longo dos séculos, só tem evoluído para pior.

Imagem e semelhança de Deus. O homem era, no seu estado original, uma imagem, ou representação perfeita de Deus. Adão e Eva possuíam atributos morais tais como amor, justiça, santidade, retidão. Tudo à semelhança de Deus. Não resta dúvida de que, ao criar o homem à sua “imagem”, e conforme a sua “semelhança”, Deus imprimiu nele as marcas de sua personalidade santa, amorosa e justa.

A deformação do caráter humano. O homem foi criado perfeito em toda a sua constituição: espírito, alma e corpo (1 Ts 5.23). Porém, quando o homem deu lugar ao Diabo, e desobedeceu a Deus, caiu da graça divina. A Queda levou-nos a perder a semelhança moral com o Criador. Observe as consequências do pecado:

a) No relacionamento com Deus. O pecado desfigurou o homem, cortando a ligação direta com seu Deus: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3.23). O pecado passou a todos os homens (Rm 5.12; Sl 51.5).

As repercussões e o alcance desse fato terrível, de natureza espiritual, têm sido sentidos ao longo da história. O pecado distanciou o homem de Deus e o levou a criar seus próprios deuses segundo suas malignas concupiscências, para agradar ao príncipe deste mundo. Toda religião que não tem Deus como o Criador, e Jesus Cristo, seu Filho, como Salvador, é instrumento do Diabo para afastar o homem de Deus.

b) No relacionamento humano. Quando Deus perguntou a Adão se ele havia comido do fruto da árvore proibida, este não assumiu a culpa, mas procurou justificar seu erro, acusando a esposa. Quando Deus questionou Eva a respeito dos seus atos, ela transferiu a culpa para a serpente (Gn 3.9-13). O relacionamento de Adão e Eva foi afetado pelo pecado, culpa e medo.

Não demorou muito, e ali, no Éden, houve um confronto entre o caráter mau, de Caim, e o caráter justo, de Abel. Caim matou seu irmão, Abel (Gn 4.8). Lameque matou um homem adulto e um jovem (Gn 4.23). A morte e a corrupção se espalharam com o passar dos séculos. O juízo de Deus foi enviado no seu tempo, através do Dilúvio (Gn 6-8).

c) No relacionamento com a natureza. “E tomou o SENHOR Deus o homem e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar” (Gn 2.15). Além de cuidar do jardim, o homem teria o domínio da Terra, com autoridade delegada pelo Criador sobre todos os animais (Gn 1.28).

Mas, usando mal o seu livre-arbítrio, o ser humano fracassou em cuidar de si mesmo e do planeta. E tem poluído o ar, o solo, as águas e todo o ambiente natural. Mas Deus destruirá os que destroem a Terra (Ap 11.18).

A Queda

O primeiro pecado da humanidade abrangeu todos os demais pecados: a afronta e desobediência a Deus, o orgulho, a incredulidade, desejos errados, o desviar outras pessoas, assassinato em massa da posteridade e a submissão voluntária ao Diabo.

As consequências imediatas foram numerosas, extensivas e irônicas. O relacionamento entre Deus e os homens, de franca comunhão, amor, confiança e segurança, foi trocado por isolamento, autodefesa, culpa e banimento. Adão e Eva bem como o relacionamento entre eles, entram em degeneração.

A intimidade e a inocência cederam lugar à acusação. Seu desejo rebelde pela independência resultou em dores de parto, labuta e morte. Seus olhos realmente foram abertos, e eles conheceram o bem e o mal, mas era pesado esse conhecimento sem o equilíbrio de outros atributos divinos, como o amor, a sabedoria e o conhecimento. A criação, confiada aos cuidados de Adão, foi amaldiçoada, gemendo pela libertação dos resultados da infidelidade dele.

Por estar a natureza humana tão deteriorada pela Queda, pessoa alguma tem a capacidade de fazer o que é espiritualmente bom sem a ajuda graciosa de Deus. A esta condição chamamos corrupção total –  ou depravação – da natureza”

III – A REDENÇÃO DO CARÁTER HUMANO

Novo nascimento, transformação do caráter. Jesus veio ao mundo para salvar o homem da tragédia do pecado e aproximá-lo novamente de Deus (Jo 3.16). A salvação é um dom divino. Ela é fruto da graça divina. Pela fé em Jesus o homem recebe a salvação e se torna uma nova criatura, completamente transformada:

“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Co 5.17). O caráter daqueles que, pela fé, nasceram de novo, é poderosamente transformado pelo poder do Espírito Santo.

Em Cristo. Paulo apresenta os resultados da morte de Cristo a favor dos cristãos e da morte dos cristãos em Jesus (v. 14). Pelo fato de estarem unidos com Cristo em Sua morte e ressurreição, os cristãos participam da nova criação, e recebem os benefícios de serem restaurados por Cristo à condição que Deus estabelecera em Seu plano original (Gn 1.26; 1 Col5.45-49).

Tudo se fez novo. A vida do cristão deve mudar porque ele está sendo transformado à semelhança de Cristo (2 Co 3.18). Em vez de viver para si próprio, a nova criatura agora vive para Cristo (v. 15). Em vez de avaliar os outros com base nos padrões deste mundo, o cristão enxerga este mundo com os olhos da fé (v. 16).

A Palavra de Deus muda o caráter. A salvação não é apenas uma mudança de religião, mas envolve regeneração (Jo 3.3,7), justificação (Rm 3.24; 5.1, 9; 1 Co 6.11) e santificação (Hb 12.14; 1 Ts 5.23). No processo de santificação, vamos sendo transformados pela Palavra de Deus.

As Escrituras têm o poder de transformar o homem, pois somente elas podem penetrar em seu interior: “Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” (Hb 4.12).

 Sempre quando precisamos ouvir algo, geralmente alguém até tenta nos falar, nos animar, nos colocar para cima, porém, o vazio permanece, pois de nós mesmos nada temos a falar se do céu não nos for dado e a angústia não se dissipa e a conclusão que tiro dessa situação, é que a palavra que nos é direcionada não é viva e nem eficaz.

Somente a palavra de Deus tem esse poder transformador, regenerador, que toca no profundo, que tem a capacidade e discernir tudo o que se passa conosco, vem com autoridade na exortação, mas vem também com bálsamo para a cura. Esta palavra também tem o poder de discernir quais os pensamentos e os propósitos do coração e isso é que é maravilhoso, já que nenhuma outra palavra tem esse poder. 

O caráter amoroso e santo do crente. O cristão tem como uma de suas características principais o amor a Deus e ao próximo (Mt 22.34-40). Quem não ama não conhece a Deus, ainda não teve seu caráter transformado e está em trevas (1 Jo 2.9,11). Unida ao amor está à santificação, sem a qual ninguém poderá ver ao Senhor (Hb 12.14). Os que já experimentaram o novo nascimento devem viver de modo irrepreensível (1 Ts 5.23).

Hebreus 12:14 – Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; 
Para o Autor da Carta aos Hebreus, a santidade é o caminho para ver a Deus: “Esforçai-vos para viver em paz com todos e para serem santos. Sem santidade, ninguém verá a Deus” (Hebreus 12:14).

O Senhor nos instrui: “Sede santos, porque Eu sou santo”. Quando aplicada ao Senhor, a qualidade da santidade nada tem a ver com despir-se de pecado. O Senhor é íntegro, é autêntico, é completamente coerente com sua natureza. Porque o Senhor é santo. Ele é “o mesmo ontem, hoje e para sempre”.

O Autor de Hebreus nos diz que o caminho para “ver o Senhor” é o exercício da santificação. A santidade abre os nossos olhos: a cegueira do pecado nos impede a percepção do Senhor. A santidade produz sensibilidade espiritual: é ela que nos permite “ter a mente de Cristo”. A santidade nos habilita a ter a matéria-prima do amor: porque “Deus é amor”. A santidade não nos humilha, nem nos diminui. Porque ela nos capacita a “ver a Deus”, a santificação nos permite viver com a “alegria da nossa salvação”.

CONCLUSÃO

Nosso caráter reflete nossos princípios. Como novas criaturas, precisamos evidenciar os valores do Reino de Deus. O homem salvo e remido por Cristo Jesus tem as marcas do Salvador no seu ser e no seu comportamento.

Fontes pesquisadas:
Bíblias de estudos Thompson
O novo comentário Bíblico (HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática: Uma perspectiva Pentecostal.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1996, p. 268).
Folha Nobre
Devocionais Amor em Cristo
Jesus Maravilhosa Luz
Autora Silvania Soares

Faça Download  desse subsidio em PDF Clicando Aqui 

Como Pregar a Palavra de Deus?

Inscreva-se Gratuitamente para receber atualizações do blog e Baixar o Guia Prático para Elaborar Sermões do Clube de Pregadores

Pregador Manasses

Sou apaixonado pelo Senhor Jesus e a sua palavra, compartilho nesse blog daquilo que o Senhor me tem dado, por isso trago pregações para jovens, estudos bíblicos e dou algumas dicas pra ajudar os irmãos a como pregar a palavra de Deus. Seja Bem vindo!

Website: https://pregadormanasses.com

1 Comentário

  1. Pingback: Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter - Pregador Manassés - Pregando a Palavra de Deus com Sabedoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *